Projeto São Francisco estimula economia após um ano da chegada das águas

Projeto São Francisco estimula economia após um ano da chegada das águas

Além de garantia hídrica e do fim do racionamento em Campina Grande, empreendimento assegurou novas condições a produtores e comerciantes na Paraíba e em Pernambuco
Por Assessoria de Comunicação

Publicação: 11/05/2018 | 15:18

Última modificação: 23/05/2018 | 12:18

Brasília-DF, 11/5/2018 - A chegada das águas do 'Velho Chico' ao sertão vem mudando há um ano a realidade de aproximadamente um milhão de pessoas nos estados da Paraíba e de Pernambuco. Desde a inauguração do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco, em março do ano passado, a população de 33 municípios nos dois estados comemora a nova rotina nas residências, no comércio e na agricultura. As transformações impactam diretamente no desenvolvimento da região, como o fim do racionamento em Campina Grande, segunda cidade mais populosa da Paraíba.

Em Monteiro, primeiro município paraibano a receber as águas do Projeto São Francisco, a prefeita Ana Lorena Nóbrega afirma que a segurança hídrica a partir do Eixo Leste criou condições mais favoráveis à comercialização de diversos produtos regionais. "Nossa economia gira muito em torno da caprinocultura, da agricultura familiar e, claro, a chegada das águas deu uma levantada visível na produção e comercialização", disse a prefeita, que também aposta na instalação de novas indústrias e empresas para movimentar ainda mais a economia local.

De lá, as águas seguiram pelo leito do Rio Paraíba até chegar ao Açude Epitácio Pessoa, conhecido como Boqueirão, responsável por abastecer a região metropolitana de Campina Grande. Em pouco tempo, a população passou a sentir o alívio nas torneiras com o fim do racionamento. Além de evitar o colapso hídrico, a obra do Governo Federal fortalece os setores da agricultura e pecuária, como destaca o produtor João de Deus Rodrigues. "Nos tranquiliza muito a certeza de que, num momento mais crítico de seca, podemos garantir suporte aos animais, por exemplo", comenta.

O empresário Divaildo Júnior, presidente do Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes de Campina Grande, observa que o setor já apresenta importantes sinais de retomada do crescimento. "A cidade voltou a se planejar a longo prazo, a captar investimentos e buscar atrair novas empresas. Hoje, sim, podemos dizer que temos garantia hídrica. O projeto de transposição foi uma bênção", garante.

Em Pernambuco, a primeira cidade a ser beneficiada pelo Eixo Leste foi Sertânia, na região do Sertão do Moxotó. O artista plástico Júnior Silva, que hoje vive no estado do Mato Grosso, visitou o município para rever a família e se surpreendeu com o novo cenário. "Antes buscávamos água em poços distantes para encher tanques e baldes, ou então aguardávamos o reforço que vinha dos carros-pipa. Era uma precariedade. Hoje, temos água de boa qualidade nas torneiras de casa", comemora.

Água para quatro milhões de pessoas

O Eixo Leste do Projeto São Francisco foi projetado para garantir o abastecimento de mais de quatro milhões de pessoas em 168 municípios nos dois estados - Pernambuco e Paraíba. Com a inauguração, o Governo Federal cumpriu sua missão de entregar a água do Rio São Francisco nos pontos de captação. O tratamento e o fornecimento do recurso hídrico estão a cargo dos governos estaduais.