Análise Territorial para o Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil

Publicação: 15/03/2016 | 16:07

Última modificação: 15/03/2016 | 18:23

A "Análise Territorial para o Desenvolvimento da Agricultura Irrigada no Brasil" é um estudo elaborado pelo Ministério da Integração Nacional em parceria com a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP) e o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA).

O estudo é a primeira etapa do planejamento da expansão da irrigação no País, sendo que o trabalho apresenta uma nova metodologia para a formulação e monitoramento de políticas públicas voltadas ao setor. A nova abordagem irá considerar as particularidades do território nacional, identificando estratégias específicas, coerentes com o planejamento e desenvolvimento de cada região.

Este estudo de modelagem espacial de cobertura nacional considera a área agrícola irrigada e a adicionalmente irrigável do Brasil no contexto de sua governança pública e privada, contemplando a dimensão física do processo (p.e. vazão dos rios, regime natural de chuvas, produtividade agrícola) em combinação com temas ambientais, sociais e econômicos. As representações simplificadas e agregadas dos muitos temas tratados através de chaves classificatórias e os produtos oferecidos para a execução da metodologia desenvolvida permitem a usuários não especializados entender de forma narrativa os resultados, além de gerar e testar cenários sem compromisso com o caráter quantitativo dos métodos e a representação espacial precisa das variáveis. Nestes aspectos, o estudo é pioneiro. Da área irrigada atualmente 37% (2,2Mha) não conta com a possibilidade expansão pelo esgotamento da água disponível em suas bacias. Outros 44% (2,7Mha) da irrigação está em regiões em que há importante possibilidade de expansão, mas fora de áreas de prioridade de intervenção pública. As áreas em que há possibilidade de expansão e justificam intervenção pública mais expressiva visando o desenvolvimento sustentável regional representam 19% da área
irrigada (1,1Mha) e contém 36% da capacidade adicional de área irrigável (27Mha).
O estudo trabalha com variáveis e indicadores de potencial para irrigação, dinâmica e desenvolvimento local, de produção, aptidão agrícola e de conservação ambiental de modo integrado, considerando as estratégias, os programas e as ações do governo federal.